ALTER-REALIDADES: Desenhar o Presente

 

Como podemos criar e projetar em conjunto, revelando e amplificando criticamente Alter-Realidades que nos orientem para um futuro onde a confiança mútua e a regeneração sejam possíveis e nos permitam criar novas relações sociais?

Estamos cansados de múltiplas crises, sejam elas reais, imaginadas ou manipuladas. O desânimo impede-nos de agir. Mas precisamos de refazer mundos e de criar novas formas de nos relacionarmos, rejeitando hegemonias insustentáveis e ideologias fraturantes. No momento presente, com a pandemia e a crise, a prática do design pode ajudar-nos a encontrar formas de viver melhor.

Para enfrentar este desafio, baseámo-nos na primeira edição da Porto Design Biennale para desenvolver quatro temas em inter-relação:

Alter-Paisagens: este tema centra-se na criação de novas perceções da cidade e novas formas de orientação. Que sistemas, objetos, mapas e intervenções podemos criar de modo a alterar as nossas perceções atuais através de cartografias, formas de mobilidade, arquitetura e/ou fluxos de energia alternativos? Como podemos ver e experienciar as nossas cidades de maneiras diferentes?

Alter-Cuidado: este tema foca-se no cuidado como algo que é devido não só à vida humana, mas a todas as formas de vida. O cuidado é aqui entendido como esforço contínuo, empatia e respeito pela alteridade, e também como forma de fazer progredir a luta pelos direitos das mulheres, a quem continua a ser atribuída a função, tantas vezes desvalorizada, de cuidar da família e da sociedade. De que modo podemos materializar o design enquanto forma de cuidado de todos para com todos? Como podemos lidar com diferenças culturais, sociais e políticas no que concerne às noções de cuidado?

Alter-produção: este tema foca-se na procura de modos de produção capazes de renovar comunidades, ofícios e indústrias de pequena escala, valorizando a produção local de alimentos e a reconfiguração de habitats urbanos. Trata-se de perceber como podemos combinar recursos locais com tudo o que atualmente é de acesso livre (design, produção, software, informação, conhecimento) de modo a imaginar novas experiências e formas de atuação.

Alter-vivências: este tema reflete sobre práticas do design que encorajam a autonomia e exploram formas mais satisfatórias de nos relacionarmos, de viver e de trabalhar, assim como um novo entendimento do lazer. Como podemos, através do design, construir em conjunto novas vivências que nos garantam satisfação, dignidade e bem-estar? Pode o design ajudar-nos a abrandar, a dar um sentido à nossa relação com o trabalho e a gerar novas formas de rendimento?

Ao longo da Porto Design Biennale ’21 pretendemos:

  • Experimentar através da materialização e da prototipagem;
  • Cultivar novos imaginários sociais;
  • Criar experiências proveitosas e significativas;
  • Promover o caminhar como forma válida de deslocação pela cidade, de explorar e de habitar o presente.

Gostaríamos de realizar tudo isto com a participação de todos — cidadãos, visitantes, profissionais e amantes do design —, gerando alianças estratégicas e efetivas.

Juntem-se a nós na construção de comunidades de mudança.
Leia aqui a proposta curatorial completa.

Alastair Fuad-luke
Curador

 

©Victor Staaf

 

 

Alastair Fuad-Luke é um dinamizador, professor, investigador, autor e ativista que investiga e problematiza a forma como o design é aplicado às questões sociais, ecológicas, políticas e educacionais. Atualmente é Professor Catedrático de Investigação em Design na Universidade Livre de Bozen-Bolzano (Tirol do Sul, Itália), e entre 2011 e 2014 foi professor de Práticas Emergentes em Design na Aalto ARTS, Universidade Aalto (Helsínquia, Finlândia) onde, durante a Capital Mundial do Design 2012, trabalhou com o Desenvolvimento Regional de Lahti na conceção de um ecossistema de codesign para esta cidade finlandesa.

Contribuiu para diversos projetos da União Europeia, incluindo o “Eco-innovera – Support Systems for Sustainable Entrepreneurship and Transformation” (SHIFT), entre 2012 e 2016; e o “Leonardo Da Vinci – Design Education and Sustainability” (DEEDS), entre 2006 e 2008. Atualmente presta consultoria ao projeto “4Cs, From Conflict to Conviviality through Creativity and Culture”. Colabora ainda com diversas comunidades; o seu mais recente projeto, muu-baa, é uma rede para explorações “agro-culturais”. É autor dos livros Field Explorations (no prelo, 2020), Agents of Alternatives (2015, coeditor participante), Design Activism (2009) e The Eco-Design Handbook (2002, 2005 e 2009).