Alastair Fuad-Luke

  • ( Curador-geral )

Alastair Fuad-Luke é um dinamizador, professor, investigador, autor e ativista que investiga e problematiza a forma como o design é aplicado às questões sociais, ecológicas, políticas e educacionais. Entre julho de 2011 e março de 2021 foi Professor Catedrático de Investigação em Design na Universidade Livre de Bozen-Bolzano (Tirol do Sul, Itália), e entre 2011 e 2014 foi professor de Práticas Emergentes em Design na Aalto ARTS, Universidade Aalto (Helsínquia, Finlândia) onde, durante a Capital Mundial do Design 2012, trabalhou com o Desenvolvimento Regional de Lahti na conceção de um ecossistema de codesign para esta cidade finlandesa.
Contribuiu para diversos projetos da União Europeia, incluindo o “Eco-innovera Support Systems for Sustainable Entrepreneurship and Transformation” (SHIFT), entre 2012 e 2016; e o “Leonardo Da Vinci Design Education and Sustainability” (DEEDS), entre 2006 e 2008. Atualmente presta consultoria ao projeto “4Cs, From Conflict to Conviviality through Creativity and Culture”. Colabora ainda com diversas comunidades; o seu mais recente projeto, muu-baa, é uma rede para explorações “agro-culturais”. É autor dos livros Field Explorations (no prelo, 2021), Agents of Alternatives (2015, coeditor participante), Design Activism (2009) e The Eco-Design Handbook (2002, 2005 e 2009).

Caroline Naphegyi

  • ( Curadora )

Depois de gerir a lille-design, plataforma de desenvolvimento de design, Caroline Naphegyi é curadora dos programas da Lille Metropole 2020, Capital Mundial do Design. Mais do um evento, esta capital é um laboratório onde um mundo novo ganha forma e está em experimentação. Designers, cidadãos, empresários e investigadores de todo o mundo desenharam e construíram soluções para os desafios do nosso tempo.

Após ter contribuído, entre 2000 e 2006, para a programação de design da Lille 2004 Capital Europeia da Cultura, e depois para lille3000, Naphegyi foi encarregada pelo fundador David Edwards da direção do Laboratório, um centro cultural multidisciplinar situado no coração de Paris e dedicado ao desenvolvimento de protocolos de investigação associando criadores (designers, arquitetos, artistas, compositores) e cientistas. Em 2010, criou a Tomorrowland, uma companhia que faz a produção de projetos na interseção entre disciplinas, e a organização sem fins lucrativos Design for Change, uma plataforma para colocar em prática soluções inovadoras através do design, em prol das empresas e das comunidades.

 

Sam Baron

  • ( Curador )

Nascido em França, Sam Baron é licenciado em Design pela Escola de Belas-Artes de Saint-Étienne e tem uma pós-graduação pela Escola Nacional de Artes Decorativas de Paris. Baron gosta de reinterpretar métodos tradicionais de construção, levantando questões sobre a utilidade dos materiais de produção atuais. Cria produtos e projetos expositivos e de design de interiores, dando vida a trabalhos de cruzamento entre a arte e o design. Trabalha como designer independente e consultor para empresas como Louis Vuitton, La Redoute, Vista Alegre e a marca francesa de conhaque Hennessy. Durante uma década foi consultor enquanto diretor de design da Fabrica, centro internacional de investigação em comunicação sediado em Itália. Em 2009 recebeu o Grand Prix de la Création de la Ville de Paris na categoria de Design e em 2010 Philippe Starck selecionou-o como um dos dez designers mais importantes para a próxima década. Foi recentemente galardoado com o PAD Paris Fair Price. Atualmente, Sam Baron vive e trabalha entre Portugal e França, onde recentemente participou na plataforma de think tank Thinkers & Doers.

Alberto Altés

  • ( Curador )

Alberto Altés estudou arquitetura e planeamento urbano em Valladolid, Barcelona e Delft e teoria crítica/estudos museológicos no Programa de Estudos Independentes do MACBA, Barcelona. No seguimento de uma bolsa de investigação em pós-doutoramento no Departamento de Arquitetura da Universidade Técnica de Delft (2017-2020), é atualmente Professor Associado de Arquitetura na Escola de Arquitetura de Bergen, na Noruega, onde continua a explorar “o amor, o cuidado e a espera” como formas de envolvimento com as práticas arquitetónicas/espaciais. Anteriormente, lecionou em várias instituições, entre as quais a Escola Técnica Superior de Arquitetura de Barcelona, onde defendeu a sua tese de doutoramento “Delaying the Image: Towards an Aesthetics of Encounter” (2016).
Lecionou cursos de teoria da arquitetura, design e construção arquitetónica e expressão gráfica arquitetónica, tendo um interesse particular em pedagogias críticas e não normativas que visam facilitar uma aprendizagem coletiva inclusiva. Coeditou vários livros, entre os quais The Power of Experiment (2016, com a Artéria e a Trienal de Arquitetura de Lisboa). É ainda um dos fundadores e parceiro da LandLab Arkitektur AB, uma atividade transversal construída em torno de formas de cuidado e situacionais.

Ana Jara

  • ( Curadora )

Ana Jara é arquiteta, cenógrafa e investigadora em estudos urbanos. É cofundadora da Artéria, onde é responsável pela coordenação dos projetos curatoriais e de intervenção urbana centrados nas dimensões sociais, culturais e artísticas da arquitetura. Com a Artéria, desenvolveu uma prática exploratória e prospetiva, utilizando metodologias de ação-pesquisa numa abordagem interdisciplinar na criação de projetos e programas de intervenção, tais como Avenida Intendente (2013) e Lisbon Skyline Operation, que integrou a representação portuguesa na Bienal de Arquitetura de Veneza em 2014. Foi uma das curadoras de The Power of Experiment Formulate, Formalize, Perform para a Nordic Satellite na Trienal de Arquitetura de Lisboa 2016, e de CCA ℅ Lisboa para o Canadian Centre for Architecture. Recentemente, em parceria com a Artéria, curou Journeys to the In-Between para o MAAT. Com Joana Braga, apresenta a exposição Matter for Future Excavation na Trienal de Arquitetura de Lisboa. É licenciada pela Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa [FA-UTL] e mestre em Artes pela Central Saint Martins College of Art and Design de Londres. É candidata a doutoramento pela Escola de Ciências Sociais e Humanas do Instituto Universitário de Lisboa (ISCTE-IUL) e da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova (FCSH-UNL). Lecionou na Escola de Arquitetura de Umeå, na Suécia (2014-2015) e no IADE —  Faculdade de Design, Tecnologia e Comunicação (2017-2018). Desde 2018 é vereadora eleita na Câmara Municipal de Lisboa.

 

André Cruz

  • ( Curador )

André Cruz é formado em Design de Comunicação pela ESAD — Escola Superior de Artes e Design de Matosinhos. Grande parte do trabalho desenvolvido enquanto designer gráfico tem expressão no mundo da cultura. Atualmente dirige o Studio Dobra em conjunto com João Guedes e é professor assistente convidado na ESMAD — Politécnico do Porto. Em 2020 deu início ao Sumo, um podcast com conversas em torno da prática do design.

O percurso de André Cruz é marcado por passagens pela ExperimentaDesign em 2005, o atelier Drop em 2006, e a colaboração com Stefan Sagmeister na implementação da identidade gráfica da Casa da Música, estrutura onde deu continuidade a esse trabalho e manteve funções de designer e director de arte entre 2007 e 2018. A forte relação com a música possibilitou que desenhasse várias capas de discos e identidades para festivais, como Paredes de Coura e Primavera Sound (Barcelona e Porto).

 

Carlo Ratti

  • ( Curador )

Arquiteto e engenheiro de formação, Carlo Ratti é docente no MIT, onde dirige o Senseable City Laboratory, e membro fundador do atelier de design internacional e inovação Carlo Ratti Associati. Sendo uma das principais vozes do debate sobre o impacto das novas tecnologias na vida urbana, o seu trabalho tem sido exposto em diversos eventos por todo o mundo, incluindo a Bienal de Veneza, o MoMA de Nova Iorque, o Museu da Ciência de Londres e o Museu de Design de Barcelona. Três dos seus projetos Digital Water Pavilion, Copenhagen Wheel e Scribit — foram aclamados pela Time Magazine como ‘Melhores Invenções do Ano’. Ratti foi incluído na ‘Smart List: 50 pessoas que vão mudar o mundo’ da Wired Magazine. É atualmente um dos presidentes do Global Future Council on Cities and Urbanization do Fórum Económico Mundial.

 

Inês Marques

  • ( Curadora )

Inês Marques é uma designer lisboeta cuja prática de design é centrada no humano, com experiência em projetos orientados pela comunidade e de envolvimento social. O seu trabalho baseia-se na abordagem de temas de inclusão, interação e benefícios cívicos nos sectores público e privado. Inês tem um mestrado em Futuros Materiais pela Central Saint Martins, um curso que explora o design, a tecnologia, a ciência e ofícios manuais aplicados a questões atuais. Na sua prática, Inês tem um interesse específico na aplicação de design thinking e educação a objetivos sociais, para gerar resultados criativos interativos e sustentáveis. Neste momento, Inês encontra-se a desenvolver a El Warcha Lisboa, após ter iniciado a El Warcha Londres em 2018.

 

Olivia Page

  • ( Curadora )

Natural de Londres, Olivia concluiu em 2019 com distinção o mestrado em Arquitetura da Central Saint Martins, onde se consagrou vencedora do prémio Spatial Practices e do Green Trail Maison/0 LVMH. A viver em Portugal desde 2017 e fluente na língua, a sua formação em arquitetura foca-se na investigação e design com materiais de construção sustentáveis. Tem desenvolvido diferentes materiais biológicos para construção sustentável, nomeadamente com cânhamo e desperdícios biológicos oriundos de indústrias locais portuguesas.

Estes projetos são feitos em colaboração com vários arquitetos em Portugal, nomeadamente através da utilização de hempcrete (um tipo de cimento feito à base de cânhamo) com os Skrei, do Porto, com os CRU, em Montemor-o-Novo e, recentemente, com o grupo francês LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton. O seu trabalho tem sido exibido internacionalmente na Trienal de Mição, Dubai Design District, Lethaby Gallery London e Award Stores, Paris.

Neste momento, Olivia Page desenvolve a Rede de Construção Sustentável para relacionar e promover os diferentes intervenientes ligados à construção sustentável em Portugal e para associar projetos a fornecedores de materiais com conhecimentos, serviços e produtos especializados. Olivia é também cofundadora de uma nova empresa dedicada à produção de hempcrete em Portugal.

Fran Edgerley

  • ( Curadora )

Fran Edgerley é membro do coletivo de design e arquitetura Assemble, com quem trabalha no sentido de olhar criticamente para os processos que produzem o nosso ambiente urbanizado. O trabalho de Fran centra-se nas possibilidades existentes em relações coletivas e cooperativas criadas por diferentes estruturas sociais, económicas e arquitetónicas. Atualmente, trabalha no desenvolvimento de um novo centro social em Londres enquanto um recurso que permita desafiar a comodificação de terras e de propriedades. Ao longo da última década trabalhou em diversos projetos — quer materiais, quer relacionais — com comunidades na Escócia, Inglaterra, Portugal, Islândia, França, Alemanha, Dinamarca e Estónia. Este ano Fran encontra-se a iniciar uma nova organização centrada em práticas que explorem as arquiteturas invisíveis que reflexivamente produzem e são reproduzidas pelo ambiente urbanizado.